As Balanças WIM são instrumentadas em placas montadas em uma suporte rígido fixado na estrutura do pavimento, estas medem as forças verticais aplicadas pela roda/pneu de veículos passantes. O comprimento da balança na direção de tráfego é maior do que a área de contato da roda/pneu (~0,30 m) com o pavimento, mas menor do que o espaçamento dos eixos mínimo (<0,80 m). Ainda, a largura balança é menor que 1 m (mede a roda) ou acima de 3 m (mede o eixo). Por isso, pode medir tanto a força de impacto da roda ou do eixo.

scales1, scales2

Existem duas tecnologias principais de balanças WIM:

  • Célula de carga: a placa é rígida e uma série de células de carga estão montadas entre esta e a estrutura de suporte, para medir as forças verticais transferidas da roda/eixo para a placa e, em seguida, para a estrutura. As células de carga são calibradas na fábrica e certificadas pelo orgão de metrologia legal. Esta é uma tecnologia precisa, mas cara, utilizada principalmente para a baixa velocidade (LS-)WIM, mas também, em alguns casos em alta velocidade (HS-)WIM, principalmente para fins fiscalização. A medição é independente da localização do carregamento na placa.
  • Bending plates: a placa é simplesmente apoiada pela estrutura em suas bordas, e instrumentadas com medidores de tensão, que medem a flexão da placa enquanto uma roda ou eixo passam sobre a placa. A flexão é proporcional à força vertical aplicada no local. Combinando vários medidores de tensão, a localização transversal da roda pode ser estimada e a força vertical medida torna-se quase independente sobre ela. Esta tecnologia é mais barata, mas menos precisa do que a célula de carga. Ele é usado principalmente para HS-WIM.
  • Existem ainda sensores WIM do tipo esteira, que se estendem ao longo de toda a superfície de contato do pneu, estas são instaladas na superfície do pavimento. Nesta tecnologia são utilizadas esteiras capacitivas, e é medida é resultado da variação da capacitância sob a pressão força pneu aplicada a superfície.
    & nbsp;